Dívida como instrumento de submissão e expropriação

Neste artigo limitar-me-ei a dar o palco ao Sr. Michael Hudson, professor de economia na Universidade do Missouri (Kansas City), um dos poucos centros académicos nos Estados Unidos a tentar incluir no debate sobre a crise actual a Modern Monetary Theory, cujos princípios são em muito contrários à banha de cobra que o neoliberalismo, através do FMI, da Comissão Europeia e  do BCE, quer impôr na Europa.

Michael Hudson está também associado ao Levy Institute of Economics (já referenciado neste blog) da Universidade Bard (2 horas a norte de Nova Iorque), e que se distingue por um pensamento económico ligeiramente mais progressivo do que as correntes que dominam os discursos oficiais.

Temos então dois vídeos sobre o tema da escravatura da dívida e expropriação:

1. Nesta entrevista, Michael Hudson explica como as políticas da troika se destinam a proteger a posição dos dententores de capital (sector bancário de investimento) em relação ao resto da população, resultando numa redistribuição de riqueza de baixo para cima da pirâmide social. Analisa os particulares da situação europeia e dos PIIGS e compara-a com anexação territorial e ocupação militar, já para não dizer roubo. Uma das ideias chaves é que a austeridade resulta num falhanço inevitável nas metas de consolidação fiscal e orçamental, o que “obrigará” os Estados a alienar património a preços de pechincha (TAP, EDP, Águas e Saneamento, etc etc etc).

2. Este vídeo é a palestra que Michael Hudson deu recentemente em Berlim. Nos primeiros dez minutos faz uma resenha da actual resposta política e económica que tende a piorar a situação (expropriação da população para pagar aos bancos) e dá 3 possíveis e simples soluções para travar o sistema oligárquico sob o qual vivemos hojem em dia no mundo ocidental.

Finalmente, para os mais interessados, podem ler o paper que está na base desta palestra neste link.

Como exemplo da vida real do que as palestras em cima explicam, vejam este vídeo do despejo de um casal de idosos na Irlanda pelo Anglo Irish Bank, por falta de pagamento do empréstimo à habitação. Agora, levem em consideração que o Anglo Irish Bank foi resgatado pelo governo irlandês usando o dinheiro dos contribuintes, mais precisamente 34 biliões de euros. De uma forma sádica, e no que é praticamente um assalto à mão armada (pela polícia, pelo Estado e pelo banco), este casal de idosos é expropriado da sua casa por um banco que ajudaram a salvar com os seus impostos!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: