Arquivo

Monthly Archives: Junho 2012

Um tema constante que atravessa toda a crise, começada em 2008 pela queda da Lehman Brothers, é a transferência de riqueza do fundo da pirâmide social para o topo. Já várias vezes analisámos o problema neste blogue, nomeadamente com explicações detalhadas do que é a supressão salarial e de como a austeridade é uma forma de desvia riqueza da classe média e camadas pobres para dar às elites financeiras. Também se mencionou como no esquema actual da zona euro, esta dinâmica ganha uma dimensão transnacional e resulta na Alemanha a absorver a riqueza do resto da europa como se fosse um buraco negro.

O processo de transferência de riqueza tem agora mais uma fase: um dos maiores bancos de investimento do mundo (e que colocou ex-empregados seus nos governos de Itália e Grécia por exemplo), Goldman Sachs, prepara-se agora para tirar partido da crise europeia para se apoderar, ou intermediar na venda, dos colaterais (propriedade ou qualquer outra coisa contra a qual um banho emprestou dinheiro) dos bancos europeus em crise – sobretudo os bancos do sul: Portugal, Espanha, Itália e quem sabe até do “core” europeu. Os bancos precisam de se recapitalizar e diminuir o seu risco de insolvência e para isso vão vender os bens que têm em carteira a preços de pechinha.

A Goldman Sachs (e provavelmente outros como a JP Morgan) estão agora em posição para se apropriar da riqueza europeia. A venda dos bens na posse de bancos europeus à procura de melhorar a solvência está estimada em quase um trilião de euros até 2014 e poderá mesmo chegar aos 2 triliões de euros!

US investment bank Goldman Sachs sees a silver lining in the troubles of Europe’s banks, which may need to sell more than $US2 trillion ($A2.07 trillion) in assets, a top Goldman executive says.

A citação em cima está neste artigo.

Anúncios